Movimento Coaxial 


Pedro Vaz, 2019


1. Pico do Refúgio artist-in-residence program

This exhibition deepens a research topic that started in the context of Pico do Refúgio artist-in-residence program, in São Miguel, Azores, in November 2018.

While preparing the artist-in-residence project, the memory of the ethnologist and painter Luis Bernardo de Ataíde turned unavoidable.

As part of the landscape practice that I normally develop, the images of the island provided by his paintings raised the feeling that my path had already been opened, making it necessary for me to elaborate on what exactly, in his body of work, was crossing my path.

As I saw his paintings, I entered his universe, of an initially naturalistic record evolving to a personal impressionism, as referred in his monograph. His estate anticipated my presence at Pico do Refúgio art-in-residence program in two manners: the first one was rather visible and geographical. It indicated specific places of the island that were represented in the paintings. The second pointed directly to the concerns of my research, by relating to the historical anticipation that naturalism inspired authors provided to the current landscape production in contemporary art. It was the time when nature, and the artist's lived experience of landscape, fully entered artistic production.

After selecting a set of paintings, I searched for the places represented in the works, focusing more on the natural landscapes that caught my attention.

I carried out extensive photographic research and geo-localization work, with the help of several institutions and people, namely at Ponta Delgada Cultural Institute. However, perhaps the places I found, some loaded with enigmatic unrealism, were only discovered due to a succession of intuitions only possible between artists.

It was as if his paintings had taken the role of map. Reaching places in such manner, leads to seeing landscape through a particular filter, and that’s what happened while moving forward on the field. On Caminho dos Goianos path I recognized one of his paintings. I predicted therefore that this path could lead me to other interesting points. From painting to painting, I moved forward between Pico do Refúgio and Lagoa das Sete Cidades. After climbing the path through the Serra da Devassa, I came to the set of small volcanic crater lagoons that came out to correspond to what actually appeared to be represented: Lagoa do Carvão and Empadada das Éguas´s lagoons.

Then, I searched, in the sequence of my constantly moving gaze, the frame matching the opening which his paintings had drew in the landscape. It was a speculative investigation, and its results feed the questions placed in this project.

I noticed, in the analysis of the works by Luis Bernardo de Ataíde, his availability to explore the landscape. For example, his choice of a spot close to Vista do Rei. Today, this place is very popular. Yet, one hundred years ago or so, it was not. He also went beyond the main point of view by moving to another, more secluded viewpoint, which would only interest those who had a particular susceptibility, as well as the longing to search the ideal frame.

In my engagement with both his work and the terrain, I also found that the outlines of the paintings did not always match what I recognized, showing adjustments between the lines of the work and the terrain. That is, the representations had showed distortions of perspective, meeting his visual sensation in the place.

So, there was a choice involved, resulting from the will to understand how he felt that that sensation itself could be represented. 

For me, these deformations express the complexity involved in choosing between multiple moments and memories. The one in which he saw the real landscape, and the one in which he performed the painting, already including the choices of places to be painted, as well as the respective frames. 

Another memory is my own, looking at his work; in this case, a double one: before and then after going to the places painted in the pictures.


II. Movimento Coaxial 

The organization of my relationship with São Miguel island´s nature unfolded after some issues that are now inquired in this exhibition. The question of the selection of places, directions or details carried out by an artist when defining his field. The question of why an artist chooses one place over another. How you relate to a place when you are facing it. When I am in the landscape and set a direction, why couldn't the opposite direction be equally beautiful be chosen?

The group of presented works addresses this duplicity of what is chosen and excluded. Somatizes the ambivalence of that act. Finally, seeks to reconcile, in a geometric organization spread throughout the exhibition, the reciprocally excluded viewpoints. 

It moves around an axis in which mechanisms are created to seal both choice and non-choice. It rehearsals a solution that refers the several movements involved in the recognition of the island´s geography and topography, throughout the artists body step´s movements. A coaxial movement.

I aim that the nature and landscape to be seen in my works represent a visible location, the one of the chosen landscape´s frame; but, also, all the surrounded exclusion. Referring choice versus non choice. Referring not only what is in the work, but also the infinite succession of abandoned frames. Evoking the natural continuation of the world, which extends east and west of each visual window presented in the works.

All the works in the exhibition are ruled by this assembled and double regime of reading nature, enhancing different aspects in each work.

For example, the video sculpture Janela Coaxial (2018) combines, over one axis, the record of two cameras in opposite directions (180º). While one camera is operated by me, the other one, attached to the first, is directed to the rear part, out my control. Lagoa do Fogo and Serra da Devassa, represented in the videos, were recombined in a central projection, constituting a succession of choices and non choices.

Another reconciliation between choice and non-choice was experienced in the Landscape Boxes. One quarter of the Serra da Devassa lagoons are multiplied by the mirror reflection of an axis. 

I sought to think about the permanent landscape invitation to be surrounded, delimited, assembled and disassembled, in its perfection, outside its context. The boxes remove the landscape from the frame and detach the important aspects alone. In this gesture, this delimitation provided by the frame is transferred into the third dimension. With them, I create space without the geographical contingency of the territory, based on my presence in the real place during the actual visit.

The pictorial interruption that an artist makes to what he sees, is another variation of the need for a choice to be made. But framing is both cause and effect, trying to recover the artist's experience at the place. The arrangement of two opposing paintings in the Movimento Coaxial (2019) painting installation, located in the gallery's main room comes out of this readjusted location with which I read the nature of the island. The paintings refer to the two Northern and Southern lagoons of Éguas, in the Serra da Devassa, the mountain chain that traces its horizon. Therefore, two images separate what is actually a visual continuation and that is here linked again.

This exhibition was developed following clues, and paving the way with real-time decisions, driven by the shape of the terrain. Having gone from paintings to nature, it was a personal “geometrization” of the occupation of the the field, a practice contrary to what is my usual.


Movimento Coaxial


Pedro Vaz, 2019


I. Residência artística Pico do Refúgio

A exposição Movimento Coaxial aprofunda um núcleo de pesquisa aberto no contexto da residência artística Pico do Refúgio, em São Miguel, Açores, em Novembro de 2018.

Na preparação da residência, apresentou-se como incontornável a memória do etnólogo e pintor Luís Bernardo de Ataíde (1883-1955).

No âmbito da prática de paisagem que desenvolvo, as imagens da ilha fornecidas pelo seu trabalho de pintura criaram o sentimento de que o meu caminho tinha já sido aberto, tornando-se obrigatório perguntar o que, da sua produção, interceptava o meu percurso.

À medida que fui vendo as suas pinturas, entrei em contacto com o seu universo, de uma disciplina inicialmente naturalista evoluindo para um impressionismo pessoal, conforme lido numa monografia. O conjunto do seu espólio antecipou-se à minha presença no Pico do Refúgio de duas formas. Uma era bastante visível e geográfica. Indicava-me lugares específicos da ilha representados na pintura. A outra, apontava directamente às preocupações da minha pesquisa. Consistia na antecipação histórica que autores subsidiários do naturalismo faziam à actual produção de paisagem na arte contemporânea. Aquele foi o tempo histórico em que a natureza, e a experiência vivida da paisagem por parte do artista, entraram, de pleno direito, na produção artística. 

Depois de selecionar um conjunto de pinturas, procurei os locais nelas representados, concentrando-me em paisagens naturais que me chamassem à atenção. 

Levei a cabo um extenso trabalho de pesquisa fotográfica e de geo-localização, com ajuda de diversas pessoas, nomeadamente, no Instituto Cultural de Ponta Delgada. No entanto, os locais aos quais cheguei, alguns carregados de um irrealismo enigmático, talvez tenham sido descobertos por um encadeamento de intuições só possível entre artistas. 

Foi como se as suas pinturas tivessem assumido a função de mapa. Chegar a um lugar desta forma leva a ver a paisagem por um filtro próprio, e isso mesmo aconteceu na progressão no terreno. No Caminho dos Goianos reconheci uma das suas pinturas. Previ, por isso, que esse caminho me podia conduzir a outros pontos interessantes. De pintura em pintura, avancei entre o Pico do Refúgio e a Lagoa das Sete Cidades. Depois de subir o caminho pela Serra da Devassa, cheguei ao conjunto de pequenas lagoas de crateras vulcânicas correspondentes ao que de facto parecia estar representado: as Lagoas do Carvão, da Empadada e das Éguas.

De seguida, procurei nas sequências do meu olhar, em constante deslocação, o enquadramento correspondente à abertura que as suas pinturas desenharam na paisagem. Tratou-se de uma investigação especulativa, cujos resultados alimentam questões pesquisadas neste projecto. 

Percebi, na analise dos trabalhos de Luís Bernardo de Ataíde, a sua disponibilidade para a exploração da paisagem. Por exemplo, a escolha que ele fez de uma zona situada ao lado da Vista do Rei. Actualmente, esse lugar é muito visitado. Mas não o era na sua altura, há cerca de cem anos, aproximadamente. Mais que isso, ele foi mais além do ponto de vista principal, deslocando-se a um outro miradouro lateral, mais recôndito, que só despertaria interesse a pessoas que tivessem uma sensibilidade própria de quem procura um enquadramento. 

No meu contacto com o seu trabalho e o terreno, verifiquei também que os contornos das pinturas nem sempre coincidiam com o que eu reconhecia na realidade exterior, mostrando ajustes entre o desenho do trabalho e o terreno. Ou seja, as representações acusavam deformações de perspectiva, ao encontro da sua sensação visual no local. 

Envolvida estava, portanto, uma escolha, na retaguarda da qual se encontrava a vontade de ir ao encontro de como ele achava que essa sensação podia ser representada. Para mim, essas deformações falam da complexidade envolvida na escolha, entre momentos e memórias multiplicados. Aquele em que ele viu paisagem real, e aquele em que executou a pintura, já com as respectivas escolhas dos lugares a pintar, bem como seus enquadramentos. Para além da minha própria memória, face aos seus trabalhos, neste caso dupla, anterior e posterior a ir ao terreno. 


II. Movimento Coaxial

A organização da minha relação com a natureza de São Miguel desenrolou-se convocando algumas questões que são agora aprofundadas nesta exposição. A questão da escolha e não escolha de lugares, direcções ou pormenores levados a cabo por um artista, quando define o seu campo. A questão de saber porque é que um artista escolhe um certo lugar em vez de outro. De que forma, quando está perante um determinado lugar, se projecta e identifica com ele. Quando estou na paisagem e fixo uma direcção, porque razão não poderia a direcção oposta ser igualmente bela para ser escolhida?

O conjunto de trabalhos apresentados, dirige-se a essa duplicidade, do que é escolhido e excluído. Somatiza a ambivalência desse acto. Por fim, procura reconciliar, numa organização geométrica distribuída pela exposição, os pontos de vista que se excluem reciprocamente. 

Movimenta-se em torno de um eixo, no qual, desta vez, sejam criados mecanismos que validem, em simultâneo, a escolha e a não escolha. Ensaia uma solução que refira os diversos movimentos envolvidos no reconhecimento da geografia e topografia da ilha, através do movimento dos passos do corpo do artista. Um movimento coaxial. 

Procuro que a natureza e a paisagem que são vistas nos meus trabalhos aduzam uma locação visível, a do enquadramento escolhido; mas também toda a exclusão que lhe é adjacente. Refiram a escolha e a não escolha. Portanto, que não só enderecem o que lá está, mas também a sucessão infinita de área abandonada. Evocando a continuação natural do mundo, que se prolonga, a nascente e poente de cada janela visual apresentada nos trabalhos. 

Todas as peças da exposição são reguladas por este regime assemblado e duplo de leitura da natureza, valorizando aspectos diferentes em cada obra. 

Por exemplo, a escultura-vídeo Janela Coaxial (2018) combina, num eixo, a captação de duas camaras, a direcções 180º opostas. Enquanto uma filmava operada por mim, a segunda, ligada a esta, estava direccionada para retaguarda, sem o meu controle. A Lagoa do Fogo e a Serra da Devassa, representadas nos vídeos, são, portanto, recombinadas numa projecção central, constituindo uma sucessão de escolhas e não escolhas.

Outra reconciliação entre escolha e não escolha foi experimentada nas Caixas de Paisagem. Um quarto das lagoas da Serra da Devassa é multiplicado através do reflexo de um eixo. Procurei, para além disso, pensar o permanente convite da paisagem a ser cercada, delimitada, montada e desmontada, na sua perfeição, para fora seu seu contexto. As caixas retiram a paisagem do enquadramento e isolam apenas os aspectos valorizados. Neste gesto, essa unidade fornecida pelo enquadramento é transferida para a tridimensionalidade. Com elas, crio espaço sem a contingência geográfica do território, baseado na minha presença no lugar real durante a visita.

A interrupção pictórica que um artista faz ao que vê, é uma outra versão da necessidade de escolha. Mas o enquadramento é simultaneamente causa e efeito, tentando recuperar a experiência do artista no próprio lugar. A disposição em eixo opondo duas pinturas, na instalação de pintura Movimento Coaxial (2019), situada na sala principal da galeria, deriva dessa locação reajustada com a qual li a natureza da ilha. As pinturas referem-se às duas Lagoas das Éguas, Norte e Sul, na Serra da Devassa, o conjunto montanhoso que atravessa o seu horizonte. Portanto, duas imagens separam o que na realidade é uma continuação visual e que aqui está novamente ligada.  

Esta exposição foi construída seguindo pistas, e abrindo caminho com decisões orientadas em tempo real pela forma do terreno. Por ter partido de pinturas para a natureza, foi uma geometrização pessoal da ocupação do terreno, inversa à que geralmente pratico. 

Using Format